Exame Visual

O primeiro dos três exames realizados na degustação de vinhos é o exame visual. Com ele, é possível identificar diversas características particulares do vinho. A primeira conclusão que se tira, por exemplo, de tão óbvia, passa até despercebida: você está prestes a degustar um vinho branco, espumante, rosé ou tinto?

Conclusões explicitas à parte, uma primeira análise muito interessante a ser realizada diz respeito à idade do vinho. Com o passar dos anos, os vinhos tintos se tornam mais claros, menos opacos e assumem uma cor alaranjada.

visual

Já os vinhos brancos seguem o caminho oposto: nascem claros e bem transparentes e assumem uma cor mais escura ao envelhecer.

visual 2

Naturalmente, cada vinho possui um ciclo de vida particular. Alguns vinhos já nascem com aspecto mais envelhecido, enquanto outros são melhor apreciados jovens e, portanto, nunca chegam a envelhecer. Faz parte do fascinante mundo dos vinhos desvendar o ciclo de vida de tipos específicos de vinho, regiões do globo, método de produção e uvas utilizadas.

Mas tudo isso é apenas um aquecimento. Para entender um pouco mais sobre o exame visual, apresentamos abaixo as suas principais etapas, segundo o método Giancarlo Bossi. Na teoria, o método apresenta algumas etapas adicionais, mas apresento aqui apenas aquelas que serão realmente úteis nas degustações do dia a dia.

Exame Visual – Passo a Passo

1. Tonalidade

O primeiro passo do exame visual é a identificação da tonalidade do vinho, ou seja, a sua cor. Os termos utilizadas para descrever as tonalidades dos vinhos mundo a fora podem variar um pouco, mas em geral ficam dentro de um escopo limitado. Segundo o método Giancarlo Bossi, os vinhos brancos, rosés e tintos podem assumir as seguintes tonalidades:

Brancos

  • Branco-papel
  • Verdeal
  • Amarelo-palha
  • Amarelo-ouro
  • Amarelo-âmbar

Rosés

  • Pele de cebola
  • Rosado
  • Cereja
  • Clarete

Tintos

  • Vermelho-púrpura
  • Vermelho-rubi
  • Vermelho-granada
  • Vermelho- alaranjado

Para a execução tanto deste primeiro passo quanto do segundo, “Intensidade”, utiliza-se uma técnica muito simples: inclina-se a taça cerca de 45 graus sobre uma superfície branca. Melhor do que muita explicação, a imagem abaixo mostra como o procedimento é simples.

2. Intensidade

O segundo passo do exame visual é identificar a intensidade da tonalidade identificada anteriormente. Coisa bem simples, basicamente identificar se a intensidade da tonalidade é:

  • Claro
  • Médio
  • Escuro

A ideia aqui é fornecer uma gradação para as tonalidades, ou seja, cada tonalidade poderá variar entre três níveis de intensidade e, com isso, você terá mais flexibilidade para descrever com precisão a cor do vinho que está degustando.

Exemplo: na segunda imagem desta página (Chadornnay from Chablis x Chadornnay from Napa), podemos dizer que o vinho da esquerda possui cor amarelo-palha médio enquanto que o da direita possui cor amarelo-ouro, também médio.

3. Reflexos

O terceiro e último passo é a identificação dos reflexos. Como vimos lá em cima, no início da página, os vinhos evoluem, envelhecem, e com isso assumem uma nova coloração. O reflexo do vinho é exatamente esta passagem de uma tonalidade para outra. Ou seja, os vinhos possuem uma tonalidade mas podem apresentar reflexos, ou seja, nuances de outra tonalidade.

Para a execução deste terceiro passo, analisa-se a “unha do vinho”, ou seja a parte superior do vinho quando inclinamos a taça a 45 graus. Na primeira imagem desta página (Young Cabernet Sauvignon x Old Cabernet Sauvignon), a “unha do vinho” é identificada pelo termo em inglês rim (aro). Uma segunda técnica, também muito simples, consiste em inclinar a taça 45 graus, mas desta vez não mas para frente e sim para trás, em direção a você, e em seguida levá-la para cima do nível dos olhos, na direção de uma fonte de luz. Com isso olha-se para a luz através do vinho e identifica-se seus reflexos mais facilmente.

O reflexo mais fácil de ser identificado é o alaranjado, mostrando os primeiros sinais de envelhecimento do vinho tinto. Neste caso, o vinho possui, à primeira vista, uma tonalidade vermelho-rubi ou vermelho-granada e, através das técnicas descritas acima, identifica-se as nuances alaranjadas.

Os vinhos podem assumir reflexos como:

  • Âmbar
  • Alaranjados
  • Violáceos
  • Esverdeados
  • Granada
Exame Visual Reflexos

Referências:

  • Fotos1 a 5: www.winefolly.com