As avaliações e pontuações aqui do blog

Aqui no blog utilizamos o esquema de 50 a 100 pontos para as avaliações e pontuações dos vinhos. Este é o mesmo esquema utilizado por referências como o crítico Robert Parker, o Guia Descorchados e as revistas Wine Spectator, Wine Enthusiast e Decanter. Esta última, utiliza principalmente as pontuações de 0 a 20 pontos, marca registrada de uma de seus principais contribuidores e referência mundial no mundo dos vinhos, a crítica Jancis Robinson. Mas a revista nunca deixa de disponibilizar a correspondente nota no esquema 50-100 pontos. Também fazemos correspondência aqui no Terroirs: associamos as pontuações ao esquema de 0 a 5 estrelas da rede social Vivino.

O processo de avaliação de vinhos, realmente, contém uma boa dose de subjetividade. Muitos enófilos procuram uma explicação racional, precisa e irrefutável para as avaliações, mas nem sempre isso de fato existe. As descrições abaixo definem quais características são esperadas em cada faixa de pontuação e servem como um guia para que as avaliações possam ser melhor entendidas e até executadas por vocês, leitores. Mas no final das contas, a subjetividade continua presente na forma como cada um relaciona suas experiências e sensações às definições estabelecidas.

  • 98 a 100 pontos / 5 estrelas – vinhos perfeitos ou que beiram a perfeição, combinando níveis máximos de seus componentes: equilíbrio, complexidade,  potência e persistência.
  • 95 a 97 pontos / 4.5 estrelas – vinhos diferenciados, ícones em suas características e regiões produtoras. Além de não possuírem falhas, possuem alguns de seus componentes em níveis elevados.
  • 92 a 94 pontos / 4 estrelas – vinhos excelentes, sem falhas, apresentando pelo menos um de seus componentes em destaque.
  • 89 a 91 pontos / 3.5 estrelas – vinhos muito bons, corretos, sem falhas, porém sem características marcantes que mereçam grande destaque.
  • 86 a 88 pontos / 3 estrelasbons vinhos, com uma boa estrutura geral, mas que apresentam pequenas falhas.
  • 83 a 85 pontos / 2.5 estrelas – vinhos abaixo da média, apresentando falhas moderadas, notáveis, que chegam a prejudicar a degustação.
  • 80 a 82 pontos / 2 estrelas – vinhos apenas aceitáveis, com falhas em níveis elevados.
  • Abaixo de 80 pontos / 0 a 1.5 estrelas – vinhos inaceitáveis, com falhas que tornam a degustação inviável, incluindo falhas mais técnicas descritas em detalhes no artigo “É Defeito ou Não É?”.

Algumas rápidas observações:

  • As falhas mais comuns que podem ser encontradas nos vinhos são taninos pouco maduros, que geram a sensação de adstringência (secura, rispidez) ou amargor excessivos na boca, e álcool em níveis desequilibrados com o restante da estrutura do vinho. A ausência de tais falhas ou a presença em níveis mais sutis ou mais elevados apontam maiores ou menores pontuações.
  • Vinhos defeituosos não são avaliados. Ou seja, não podemos confundir vinhos que em seu estado normal possuem falhas com vinhos que excepcionalmente possuem defeitos, como bouchonné (saiba mais no artigo Cheira Rolha) ou oxidação, por exemplo. Nestes casos, o vinho é descartado e busca-se uma nova garrafa, em condições normais, para avaliação.
  • Uma interessante análise realizada pelo site Wine Folly mostra que de fato as notas de avaliações se concentram na faixa entre 82 a 94 pontos. Raramente degustamos vinhos abaixo dos 80 e acima dos 96 pontos. A explicação é simples. A indústria mundial de vinhos encontra-se atualmente em um elevado patamar de maturidade. Até países em desenvolvimento do novo mundo, como Chile, Argentina e África do Sul, possuem hoje uma indústria de vinhos desenvolvida. A consequência disso é que a grande maioria dos vinhos disponível no mercado possui níveis adequados de qualidade. Quanto ao segundo grupo, dos vinhos com elevada pontuação, a explicação está no bolso: usualmente eles chegam ao mercado com preços salgados, limitando nosso acesso a eles.