Cave Geisse começa a ser servido na classe Premium Business da LATAM

Cave Geisse sendo servida na classe Premium Business da LATAM

Confirmando a alta qualidade dos espumantes brasileiros, e, em especial, a qualidade da primorosa Vinícola Geisse, rótulos Cave Geisse passam a ser servidos na classe Premium Business de vôos internacionais da LATAM.

A Vinícola Geisse foi fundada em 1979, pelo engenheiro agrônomo e enólogo Mario Geisse, chileno que veio para o Brasil em 1976, contratado para dirigir a Moët & Chandon do Brasil. Situada na região de Pinto Bandeira, distrito de Bento Gonçalves, a vinícola produz espumantes que são considerados por muitos críticos os melhores do país.

Mais detalhes em:

  • http://www.cavegeisse.com.br
  • https://www.facebook.com/FamiliaGeisse

 

Miolo anuncia campanha internacional do espumante Cuvée Tradition com Steven Spurrier e imersão de garrafas em mar francês

Em recente press release da Miolo, duas notícias me saltaram aos olhos, reforçando o orgulho que sinto dos nossos espumantes:

Só em Paris, foram comercializadas mais de 10 mil garrafas do Miolo Cuvée Tradition na Soif D’ailleurs, wine shop consagrada como melhor loja de vinhos de Paris em 2016 no Guia Pudlo.

Comercializar espumante em terras francesas, onde se produz o melhor deles, o Champagne, não deve ser tarefa fácil. Mesmo assim, a empresa parece estar conseguindo promover o espumante brasileiro, colocando-o lado a lado com o grande competidor.

Um segundo parabéns vai para o nível de marketing colocado em operação. A empresa está colocando 500 garrafas do rótulo Cuvée Tradition para amadurecer no fundo do mar francês, técnica inovadora iniciada pela icônica Veuve Clicquot que mais está para ação de marketing do que técnica de amadurecimento propriamente dita. Tal movimento deixa clara a estratégia da empresa em aproximar o espumante brasileiro do produto francês. E, para celebrar o êxito das vendas na Europa, um evento ocorre hoje, dia 27 de outubro de 2016, na embaixada do Brasil na França (Paris?). Até aí tudo bem. O destaque fica para o convidado especial Steven Spurrier, célebre crítico de vinhos e um dos editores-chefes da revista Decanter. Convidar um personagem do mundo dos vinhos globalmente reconhecido marca pontos na estratégia de mostrar que a empresa é séria, competente e digna de respeito.

Parabéns para a Miolo.

Leia abaixo o artigo na íntegra.

Vinícola celebra na Embaixada Brasileira em Paris o sucesso de vendas do Miolo Cuvée Tradition, com aproximadamente 100 mil garrafas vendidas no mercado externo em 2016

A Miolo, uma das empresas vitivinícolas mais premiadas do Brasil, celebra o sucesso do espumante Miolo Cuvée Tradition, que se consagrou em 2016 como o produto mais exportado da marca. O rótulo será a estrela da campanha de final de ano da empresa, que está preparando uma grande ação internacional para comemorar o êxito da bebida na Europa, especialmente na França, a terra do champanhe, onde é o espumante brasileiro mais vendido.

A Embaixada do Brasil na França será o cenário para um evento especial que vai celebrar o número impressionante de vendas do espumante em solo francês e marcar o lançamento da campanha de final de ano da Miolo. Só em Paris, foram comercializadas mais de 10 mil garrafas do Miolo Cuvée Tradition na Soif D’ailleurs, wine shop consagrada como melhor loja de vinhos de Paris em 2016 no Guia Pudlo.

Para o encontro, que acontece no dia 27 de outubro, foi convidado o ícone Steven Spurrier, reconhecido crítico inglês de vinhos e organizador do famoso Julgamento de Paris. Spurrier estará ao lado de Mathieu Wehrung, fundador da Soif, e de Anderson Tirloni, gerente de exportações da Miolo, que irão falar aos ilustres convidados e renomados jornalistas e críticos de vinhos da imprensa francesa, sobre a Miolo e a vitivinicultura brasileira.

Cave submarina em Bretagne

Para celebrar este sucesso internacional do espumante Miolo a campanha também contou com outro marco especial: a imersão de um lote de 500 garrafas do Miolo Cuvée Tradition Brut no mar da província de Bretagne, no Atlântico Norte, na França, realizado na última sexta-feira, dia 21.

Quem realizou a operação foi a Amphoris (www.amphoris.fr), empresa francesa cuja especialidade é selecionar locais para a imersão de garrafas, criando caves submarinas em condições ideais: escuridão, umidade total e temperatura constante. De acordo com Denis Drouin, presidente da Amphoris, “o ambiente marinho cria condições adequadas e peculiares para o envelhecimento do vinho”. Dispostas horizontalmente em um container especial que propicia o contato direto das garrafas com as correntes marítimas, elas repousarão durante um ano no mar de Bretagne. Após a retirada destas garrafas do fundo do mar, elas serão comercializadas em uma edição especial.

A Miolo é a primeira empresa brasileira a realizar este procedimento de imersão em caves submarinas, acompanhando uma tendência onde várias vinícolas na Europa estão aderindo a esta inovação.

Miolo Cave Submarina

A campanha

Centrada no sucesso do Miolo Cuvée Tradition Brut na França, a campanha de final de ano da Miolo vai trazer a cidade luz como cenário para as peças de comunicação do período. “O objetivo é reforçar a consagração do rótulo como o espumante brasileiro mais apreciado na terra do champagne”, afirma Adriano Miolo, superintendente da marca.

Um vídeo muito especial foi lançado para expressar o charmoso estilo de vida dos franceses, que dará o tom das peças. Para assisti-lo, acesse: http://migre.me/vlDce.

A campanha assinada pela Agência Matriz vai contemplar veículos impressos, TV e redes sociais da Miolo (grupomiolo).

O espumante

Elaborado no Vale dos Vinhedos com uvas Chardonnay e Pinot Noir pelo Método Tradicional (com fermentação na própria garrafa), o Miolo Cuvée Tradition Brut envelhece durante 12 meses nas caves subterrâneas da Miolo.

Mathieu Wehrung, proprietário da Soif D’ailleurs, declarou sua surpresa ao degustar pela primeira vez um espumante brasileiro de altíssima qualidade, escolhido por ele para representar o Brasil na seleção da loja. “Hoje, ninguém sai daqui sem receber uma forte recomendação da Miolo e essa atitude representa nossa extrema confiança neste produto, que tem se tornado cada vez mais reconhecido e apreciado pelos franceses. É uma verdadeira dádiva”, exaltou Wehrung.

Miolo Cave Submarina

 

The Wine Show – a série de TV sobre vinhos do canal britânico ITV

Se você já assistiu a todos os filmes sobre vinhos disponíveis no mercado e está em constante abstinência, sedento pelo próximo lançamento abordando o mundo dos vinhos, este post pode ser a solução.

O canal britânico ITV lançou este ano a série The Wine Show. Dois atores britânicos novatos no assunto e dois especialistas desvendam estórias por trás de alguns dos vinhos mais fascinantes do mundo. Matthew Goode, das séries Downton Abbey e The Good Wife, além dos filmes O Jogo da Imitação e Watchmen, e Matthew Rhys, ator com currículo mais coadjuvante, recebem desafios a cada episódio que os fazem desvendar diferentes regiões, produtores e estilos. Os especialistas Joe Fattorini e Amelia Singer compartilham sua paixão pelos vinhos e guiam habilidosamente os dois Matthew’s em suas descobertas.

O seriado, com primeira temporada contendo 13 episódios, possui produção primorosa e um cenário fantástico. O quartel-general dos Matthew’s é uma linda propriedade na Itália e, a cada episódio, os quatro apresentadores viajam pelo mundo em busca de belos rótulos e estórias.

Porém, antes de se animar, saiba que assistir ao seriado aqui do Brasil não será tarefa fácil. O site da ITV até disponibiliza os últimos episódios, mas apenas para o território britânico. Nada que alguns artifícios tecnológicos não resolvam:

  • Faça uma procura no Google por “UK proxy”. Acesse um dos sites que disponibilizam uma lista de proxies do Reino Unido, como este aqui.
  • Anote o endereço IP e porta de um dos proxies. Dê preferência pelos que foram recentemente testados, informação que consta na lista.
  • No seu navegador, procure pelas opções de conexão, onde é possível informar um proxy. Entre com as informações anotadas e veja se o acesso funciona.
  • Caso negativo, tente novamente com um outro endereço IP e porta da lista.
  • Não se esqueça que você precisará fazer um cadastro no site da ITV para ter acesso ao conteúdo disponibilizado.

Tão logo encontre uma forma mais amigável de assistir ao seriado, compartilho aqui com você. Por enquanto, a única alternativa encontrada é o download por torrent.

 

Expovinis 2016 – Dia 2: um dia de vitórias

No segundo dia da Expovinis 2016, 15 de junho, aconteceu a avaliação de todos os vinhos selecionados pelos melhores blogueiros do país no programa Wine Blog Hunter. 10 vinhos brancos e 11 tintos foram avaliados para a seleção do melhor branco e melhor tinto até R$70 da feira.

Foi com muita alegria que o blog Terroirs viu o seu vinho tinto ganhar o prêmio de melhor tinto. O rótulo foi o português 3 Autores Douro 2013, da Vidigal Wines, encontrado por R$67,45 (via depósito) no site Dom Castilho.

Expovinis Vidigal Wines 3 Autores Douro

Expovinis Vidigal Wines

Uma outra vitória foi também alcançada. O blog Terroirs também indicou o rótulo branco vencedor da competição, na categoria melhor branco até R$70, o neozelandês Peter Yealands Sauvignon Blanc 2015, encontrado a R$69,90 no Pão de Açúcar. Porém, um outro blogueiro já havia selecionado tal rótulo, portanto, tivemos que indicar uma opção alternativa. Durante a degustação dos vinhos selecionados, ficou clara a qualidade e diferenciação deste rótulo em comparação aos demais. Até o próprio blog Terroirs votou no rótulo neozelandês, e não no rótulo indicado por ele mesmo.

Expovinis Peter Yealands Sauvignon Blanc 2015

Veja aqui a lista completa dos melhores vinhos selecionados para a degustação final que originou os dois campeões listados acima. A página do programa Wine Blog Hunter no site da Expovinis mostra mais fotos da premiação dos campeões.

Para o blog Terroirs, a feira terminou no segundo dia. Mas ela continua por mais um, dia 16 de junho. Para aqueles que têm a oportunidade, não percam a chance de degustar um mar de excelentes rótulos. Itália e Portugal estão presente em peso, mas encontra-se também muitos rótulos brasileiros, argentinos, chilenos e espanhóis, especialmente da região de Jumilla, assim como alguns franceses, neozelandeses, gregos e eslovenos.

 

Expovinis 2016 – Dia 1: um dia de caçada

O blog Terroirs participa este ano do programa Wine Blog Hunter da Expovinis 2016. O primeiro dia do evento, 14 de junho, foi um dia de caçada do melhor vinho branco e melhor tinto até R$70. Todos os vinhos selecionados pelos blogueiros participantes do programa serão então avaliados no segundo dia do evento para a escolha do melhor branco e melhor tinto até R$70 da feira.

Peter Yealands Sauvignon Blanc 2015Vidigal Wines 3 Autores Douro 2013O melhor branco selecionado pelo blog Terroirs foi este aqui: Peter Yealands Sauvignon Blanc 2015, encontrado a R$69,90 no Pão de Açúcar.

Já o melhor tinto foi o português 3 Autores Douro 2013, da Vidigal Wines, encontrado por R$67,45 (via depósito) no site Dom Castilho.

Fique ligado aqui no blog e acompanhe a divulgação dos vencedores do Wine Blog Hunter 2016 e a lista geral dos melhores vinhos selecionados.

 

 

 

 

 

 

Vinhos Sem Mistério: o eBook do blog Terroirs

Vinhos Sem Mistério é uma compilação dos principais artigos do blog Terroirs. Seu intuito é servir como mais uma frente para o compartilhamento de conceitos e práticas simples, capazes de transformar o consumidor de vinhos que, se sente perdido na hora da compra e consumo, se não em um especialista, pelo menos em um bom navegante destes mares tortuosos.

Baixe o eBook Vinhos Sem Mistérios de forma gratuita:

eBook Vinhos Sem Misterio

 

O vinho mais caro do mundo

Jayer Richebourg Grand Cru O vinho mais caro do mundoO Domaine de la Romanée-Conti (DRC), desde o último trimestre de 2015, deixou de ser o vinho mais caro do mundo. Com um preço médio de US$15.195 (pouco mais de R$60 mil), o rótulo Jayer’s
Richebourg Grand Cru
, garrafa de 750ml, ocupa hoje o lugar mais alto do pódio. O tradicional DRC, rebaixado ao segundo lugar, pode ser adquirido pela “pechincha” de US$13.314 (quase R$53 mil). E se as coisas estiverem apertadas para o seu lado, que tal o terceiro colocado, o Cros Parantoux 1er Cru, também da propriedade Jayer, que sai por apenas US$8.832 (R$35 mil)?

Interessante perceber que os três rótulos mais caros do mundo vêm da mesma região, Vosne-Romanée, na Borgonha, de onde sai 7 dos 10 rótulos mais caros e 40 dos top 50. Se quiser saber um pouco mais sobre a região e conhecer outros produtores e rótulos bem mais acessíveis e agradáveis ao bolso, veja o artigo Borgonha.

O vinho mais caro do mundo Vosne-Romanée

O branco, o não-europeu e o Bordeaux mais caro do mundo

O vinho branco mais caro do mundo, vendido por US$6.630 (pouco mais de R$26 mil) é o Egon Müller-Scharzhof’s Scharzhofberger Riesling Trockenbeerenauslese, da região do Mosel, na Alemanha (belissimamente retratada na imagem abaixo). Já o vinho mais caro fora da europa é o Screaming Eagle’s Cabernet Sauvignon, da região de Napa Valley, nos EUA, vendido a um preço médio de US$2.884 (R$11.500). Já os vinhos mais caros de Bordeaux são o Château Pétrus, vendido a US$2.701 (R$10.700), e o vizinho Le Pin, vendido por US$2.359 (R$9.400). Mais detalhes sobre os vinhos de Bordeaux podem ser encontrados nos artigos Decifrando Rótulos, Terroir, DOs e Classificações de Qualidade e Premier Grand Cru Classe de Bordeaux.

A região do Mosel, na Alemanha

Referência:

  • Revista Decanter, vol. 41 n° 1, outubro de 2015.

 

Panorama do consumo de vinhos no Brasil

Anuário Vinhos do Brasil apresenta em sua edição 2015 uma série de artigos a respeito do mercado de vinhos no Brasil, além do resultado da Grande Prova Vinhos do Brasil, a maior degustação de vinhos brasileiros existente.

A avaliação dos vinhos vencedores da Grande Prova você confere em diversos posts aqui no blog, mas gostaria de retratar neste artigo algumas conclusões bem interessantes que tiramos das análises dos dados do setor de vinhos no Brasil:

  • Continuamos a beber pouco vinho. O consumo per capita no Brasil é de apenas 2 litros por habitante por ano. Nossos vizinhos Chile e Argentina consomem 17,46l e 23,46l respectivamente. Dentre os países do velho mundo, os campeões são França, com 42,51l, Portugal, com 41,74l e Itália, com 33,30l (wineinstitute.org).
    • Apenas por curiosidade, o país com maior consumo per capita de vinhos no mundo é o Vaticano, com 54,26l. O país com maior consumo de vinhos total é os Estados Unidos com 3,2 bilhões de litros.
  •  O consumo per capita aqui no Brasil oscilou pouco entre 2002 e 2010, até que teve uma elevação íngrime de 0,5l por pessoa por ano em 2011, saindo de 1,6l em 2010 para 2,1l em 2011. Em 2012 caiu para 2,0l e estacionou.
  • Uma má notícia: esta média de 2 litros por habitante contempla os vinhos comuns (de “garrafão”, estilo Sangue de Boi). Quando se analisa apenas o consumo de vinhos finos, esta média cai para 0,7 litros por habitante por ano.
    • Uma boa notícia é que em 2011, quando o consumo per capita teve um salto, o aumento do consumo de vinhos finos quase dobrou enquanto o de vinhos comuns aumentou apenas 37%. Também temos uma boa notícia quando analisamos o crescimento de consumo nos últimos três anos. O consumo de vinhos comuns aumentou 23% enquanto o de vinhos finos 71%.
  • A produção brasileira de vinhos em 2014 totaliza 329.196.784 litros, dos quais apenas 50.351.751 litros são de vinhos finos.
    • Em 2014, o consumo de vinhos comuns foi de 278.845.033 litros. Ou seja, mais de 5 vezes o consumo de vinho fino.
  • O consumo de vinhos finos no Brasil é equilibrado com a importação de 81.229.244 litros de vinhos. Ou seja:
    • Importamos mais vinhos finos do que produzimos internamente no país.
    • Consumimos um total de 131.580.995 litros de vinho fino, menos da metade do consumo de vinho comum.
  • Importamos vinhos primordialmente dos seguintes países: Chile, Argentina, Portugal e Itália.

Uva, a superfruta da saúde

O Globo Repórter desvenda nesta sexta, 08/05, as mais recentes descobertas sobre os poderes da uva, a superfruta da saúde.

http://glo.bo/1JsPUwD

Mas só no blog Terroirs você aprende como escolher bons vinhos de forma inteligente, fica sabendo dicas de boas compras, aprende a degustar e muito mais, sempre de forma simples, prática e descomplicado.

www.terroirs.com.br

 

Bares de vinhos e vinhos por taça

O jornal O Globo publicou hoje matéria sobre um tema de grande interesse para os amantes de vinho: Bares de Vinhos que servem vinho por taça. A reportagem de Renata Monti cita a “desglamourizção” do vinho, popularizando a bebida em bares e restaurantes. Alguns points do vinho por taça no Rio de Janeiro são sugeridos, mas tenho certeza que o movimento ocorre em todo Brasil.

http://rioshow.oglobo.globo.com/gastronomia/eventos/o-vinho-e-pop-bares-de-vinhos-12781.aspx

E você? Conhece algum Bar de Vinhos na sua cidade que merece ser divulgado? Deixe seu comentário aqui embaixo e quem sabe não construímos juntos um guia para cada cidade.

 

Obituário: Baronesa Philippine de Rothschild (1933 – 2014)

No dia 23 de agosto de 2014 faleceu a Baronesa Philippine de Rothschild, dama do vinho que desde a morte de seu pai, Barão Philippe de Rothschild, estava à frente de uma das mais famosas vinícolas de Bordeaux. Philippine assinava o rótulo do prestigiado Château Mouton Rothschild, o único Grand Cru em 1855 elevado à categoria de Premier Grand Cru anos mais tarde.

O histórico upgrade à categoria de Premier Grand Cru, ocorrido em 1973, deu origem à mudança do mote da empresa, de:

Premier ne puis, second ne daigne, Mouton suis. (“Primeiro, eu não posso ser. Segundo, eu me recuso. Mouton eu sou”)

Para:

Premier je suis, Second je fus, Mouton ne change. (“Primeiro, eu sou. Segundo, eu fui. Mouton não muda”)

À frente da empresa centenária Baron Philippe de Rothschild, Philippine abriu os horizontes para o novo mundo, criando joint ventures que produzem rótulos ícones como o Almaviva, no Chile, e o Opus One, na California.

Sempre ligada à arte, a família Rothschild inovou ao inserir no rótulo de sua obra prima, o Château Mouton Rothschild, imagens de obras de artistas como Salvador Dalí, Francis Bacon, Picasso e Miró. Para quem tiver a oportunidade, vale a visita ao museu de arte da família, com obras privadas adquiridas ao longo dos séculos. O museu inclui uma exposição de todos os rótulos adornados com obras de artistas, com excessão do rótulo de 2000 que apresenta imagem de um carneiro de ouro, peça do museu.